Mostrando 2780 resultados

Descrição arquivística
Com objetos digitais
Visualizar impressão Visualizar:

Zoologia

Na subsérie “Trabalhos Escolares: Zoologia” encontram-se os trabalhos realizados pelos alunos da então Escola Normal de Piracicaba (Sud Mennucci) na aula de zoologia, que é a ciência que estuada os animais.

Objetos Tridimensionais

Nesta série estão presentes os objetos tridimensionais encontrados na cápsula do tempo do Sud Mennucci, então Escola Normal de Piracicaba.

Trabalhos Escolares

Na série "Trabalhos Escolares" estão as atividades, provas, exercícios e outros trabalhos realizados pelos alunos da Escola Normal de Piracicaba (Sud Mennucci) e suas instituições anexas. Tais trabalhos fazem referência às diferentes disciplinas presentes na escola, sendo elas: português, francês, geografia, matemática, anatomia, botânica, química, artes, latim, música, zoologia e história.

Selos e Estampas

Na série denominada “Selos e Estampas” está o conjunto diversificado de selos e estampas, datados de 1922 e 1923, a maioria dos quais avulsos, outros colados em envelopes, telegramas e outros tipos de suportes. Nesse conjunto, que totaliza aproximadamente 300 itens, existe algumas correspondências internacionais, na sua maioria endereçada ao Professor Honorato Faustino de Oliveira, na qualidade de médico ou enquanto diretor da Escola Normal de Piracicaba. Alguns suportes apresentam inscrições manuscritas pelo próprio punho do Professor Honorato. Devido ao grande volume de itens, tais não foram descritos individualmente, mas sim dentro de conjuntos e imagem mais amplas.

Solenidade de Encerramento da Cápsula do Tempo

Na série “Solenidade de Encerramento da Cápsula do Tempo” encontram-se os documentos relacionados ao evento de encerramento (ou fechamento) da Cápsula do Tempo da então Escola Normal de Piracicaba, hoje chamada de Escola Estadual Sud Mennucci. A solenidade ocorreu no dia 15 de novembro de 1922, juntamente com as comemorações da Proclamação da República e contou com um programa festivo para a ocasião.

Sud Mennucci - Escola Normal

Revolução de 1932

  • BR SPCVP CE-REV32
  • Coleção
  • 09 de julho de 1932 a 02 de outubro de 1932
  • Parte deColeções Especiais

A Revolução de 1932, também conhecida como Revolução Constitucionalista ou Guerra Paulista teve seu início com a deflagração da chamada "Revolução de 1930", que impediu a posse do ex-presidente (governador) do estado de São Paulo, Júlio Prestes, na presidência da República e derrubou do poder o presidente da república Washington Luís colocando fim à República Velha, invalidando a Constituição de 1891 e instaurando o Governo Provisório, chefiado pelo candidato derrotado das eleições de 1930, Getúlio Vargas, instalando no Brasil uma ditadura.
Nomeou interventores em todos os estados, com exceção de Minas Gerais, reforçando o conflito com São Paulo; dissolveu o Congresso Nacional, os Congressos Estaduais (Câmaras e Senados Estaduais) e as Câmaras Municipais.
Em São Paulo, foi o piracicabano Francisco Morato que, em 1931, lançou o manifesto “À Nação”, rompendo com Getúlio Vargas, deflagrando o movimento constitucionalista comandado por São Paulo. No manifesto, aprendido pela polícia, o dr. Morato expõe a situação de São Paulo, “rica e civilizada cidade da federação de ontem, hoje presa de guerra, amanhã toda desbaratada”.
Era grande a insatisfação com o governo provisório de Vargas. Os paulistas esperavam a convocação de eleições para presidente, mas dois anos se passaram e o governo provisório se mantinha. Os fazendeiros paulistas, que tinham perdido o poder após a revolução de 1930, eram os mais insatisfeitos e encabeçaram uma forte oposição ao governo. Houve também grande participação de estudantes universitários, comerciários e profissionais liberais.
Os paulistas criticavam a forma autoritária com que Vargas vinha conduzindo a política do país. Queriam mais democracia e maior participação na vida política do Brasil.
Além de medidas de centralização política, os estados foram proibidos de contratar empréstimos externos sem autorização do governo federal; além do monopólio de compra e venda de moeda estrangeira pelo Banco do Brasil, para controlar o comércio exterior. O governo impôs, ainda, medidas para controlar os sindicatos e as relações trabalhistas e criou instituições para intervir no setor agrícola como forma de enfraquecer os estados.
Júlio Prestes, o presidente Washington Luís e vários outros apoiadores de Prestes foram exilados na Europa, e os jornais que apoiavam Prestes foram destruídos, entre eles, os jornais paulistanos Folha de S. Paulo, "A Plateia" e o Correio Paulistano e os jornais cariocas A Noite e O Paiz
A primeira grande manifestação dos paulistas foi um mega comício na Praça da Sé, no dia do aniversário de São Paulo, em 25 de janeiro de 1932, com um público estimado em 200. 000 pessoas, e, na época, chamados de "comícios-monstro".
Em 23 de maio de 1932 começaram uma série de manifestações de rua contrárias ao governo. Numa destas manifestações, houve forte reação policial, ocasionando a morte de quatro estudantes: Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo.
As iniciais dos nomes destes estudantes (MMDC) transformou-se no símbolo da revolução. Para a revolução, alistaram-se 200.000 voluntários, sendo que se estima que, destes, 60.000 combateram nas fileiras do exército constitucionalista.
Em 9 de julho de 1932 teve início a Revolução Constitucionalista, que foi uma verdadeira guerra civil. Os paulistas fizeram uma grande campanha, usando jornais e rádios, conseguindo mobilizar grande parte da população. Os combates ocorreram, principalmente, no estado de São Paulo, região sul do Mato Grosso e região sul de Minas Gerais.
Contando apenas com o apoio do sul do Mato Grosso, São Paulo enfrentou o poder militar do das forças armadas federais. O resultado foi a rendição e derrota paulista em 28 de setembro de 1932. Cerca de três mil brasileiros morreram em combate e mais de cinco mil ficaram feridos durante a revolução.
A reação, por parte dos piracicabanos se deu de modo imediato, no Hotel Rex, em São Paulo, Fernando Febeliano da Costa e Otávio Teixeira Mendes tinham-se reunido para preparar Piracicaba para a revolta. O quartel de Pirassununga rebelou-se antes.
No dia 10, Samuel de Castro Neves, Fernando Febeliano da Costa, Luiz Alves Filho organizam o Clube Político para abrigar os revolucionários. No dia 12 de julho de 1932, é instalado o Quartel General dos revolucionários no Grupo Escolar Moraes Barros.
Foi na praça 07 de setembro, atual praça José Bonifácio, no dia 16 de julho de 1932 onde os primeiros voluntários se inscreveram para a Revolução.
Inicialmente, 200 membros se apresentaram para a inscrição, divididos em soldados, corpo médico, corpo de enfermeiras, dentistas e farmacêuticos, mas ao final totalizava-se 600 voluntários que partiriam ainda naquele dia para a frente de batalha e um segundo batalhão com mais 200 homens, partiram no dia 24 de julho.
Inicialmente, 200 membros se apresentaram para a inscrição, divididos em soldados, corpo médico, corpo de enfermeiras, dentistas e farmacêuticos, mas ao final totalizava-se 600 voluntários que partiriam ainda naquele dia para a frente de batalha e um segundo batalhão com mais 200 homens, partiram no dia 24 de julho.
Ainda no teatro Santo Estevão, a figura de Branca de Azevedo – professora enérgica – emergiu com força. Dos altos do Teatro, Branca de Azevedo convocou a juventude piracicabana para a luta pela constitucionalização do Brasil. Ela criou o comitê feminino MMDC, do qual foi presidente, e teve como companheiras as professoras Olívia Bianco e Eugênia da Silva, fazendo seu QG, com a Cruz Vermelha, no Teatro.
Outra figura considerada heroína da revolução de 1932 foi Maria de Almeida Silveira, nascida em Piracicaba, formada pela Escola Normal na turma de 1927, era filha de Inácio Florêncio da Silveira e de Dona Iaiá, Antonia de Barros Silveira. Ao estourar a revolução, Maria foi uma das primeiras a alistar-se, convocando mulheres, fazendo discursos, vestindo o uniforme de enfermeira e indo para o front. Nos últimos dias de combate, tornou-se cozinheira do batalhão.
No total, foram 12 mulheres piracicabanas que se alistaram, trabalhando na condição de enfermeiras, querendo enfrentar a ditadura Vargas: Odila Souza Diehl, Dulce Ribeiro, Carlinda Barbosa, Ana Silveira Pedreira, Rosalina Juliano, Matilde Brasiliense, Presciliana Almeida, Ida Bandiera, Nair Barbosa, Etelvina Pedreira, Maria Celestina Teixeira Mendes.
Diante da limitação das armas paulistas, Octávio Teixeira Mendes, inventa a "catraca", que passará a ser conhecida como "matraca", que imitava tiros de metralhadora com grande poder de fogo.
Os objetivos da revolução conseguiram levar ao conflito paulistas de várias cidades, mas não foram suficientes para expandir a outros estados - e o movimento acabou sucumbindo diante das forças nacionais.
A derrota dos paulistas condenou ao exílio muitas das suas principais lideranças. Entre os piracicabanos, foram Paulo de Moraes Barros e Francisco Morato as grandes vítimas. O dr.Paulo foi para Lisboa juntamente com o governador Pedro de Toledo e todos os membros de seu gabinete. Francisco Morato asilou-se primeiramente também em Lisboa, indo, depois, para Paris.
Embora derrotados, os paulistas conseguiram alcançar alguns objetivos. Entre eles, a Constituição que acabou sendo promulgada em julho de 1934, trazendo alguns avanços democráticos e sociais para o país.

Textual

Documentos que tratam da construção do ramal e estação pela Companhia Paulista de Estradas de Ferro, desde o início das negociações em 1902 até a sua inauguração em 1922.

Ramal Cia Paulista

Em uma época onde a produção de café era predominante em São Paulo, os fazendeiros encontraram uma solução para despacharem pelo porto de Santos suas safras de café, essa solução se chamaria ferrovias. A Estrada de Ferro São Paulo
Railway foi a primeira ferrovia do estado de São Paulo, idealizada pelo ilustre Barão de Mauá, tendo principiado sua construção em 1862 e inaugurada em 1867, sendo a sexta ferrovia do país a ligar a cidade de Jundiaí ao Porto de Santos. Piracicaba estaria longe de ter uma via férrea adequada, somente em 1902, após via férrea anterior a Paulista começar a apresentar dificuldades.
No dia 26 de março de 1902, principiaram as iniciais negociações acerca da construção de uma via férrea que ligasse a capital, já que as Companhias União Sorocabana e Ituana apresentavam dificuldades. Foi informado a Companhia Paulista de Vias Férreas e Fluviais, a vontade que a cidade possuía em construir um ramal, e pediam ainda um auxílio para a construção da mesma. Esse passo inicial foi dado pelo presidente da câmara, Dr. Paulo de Moraes Barros, sobrinho de Prudente de Moraes.
Em um oficio datado do dia 14 de abril de 1902, a Companhia Paulista de Vias Férreas e Fluviais, responde de forma positiva a cidade de Piracicaba, sobre a construção de um ramal ferroviário. O oficio apresenta alguns termos apresentados pela Companhia Paulista, sendo um deles alegando que fica a cargo da Câmara Municipal a escolha de um local para a construção do traçado, e que a companhia se obriga a construir o ramal no prazo de um ano após a aprovação do projeto pelo governo. O local cedido para a construção da Estação da Paulista foi doado por João Baptista da Rocha Conceição e sua esposa Maria Nazareth da Consta Conceição, proprietários da Fazenda Nazareth, atual Chácara Nazareth.
O processo de aprovação e construção se estenderam por anos. No dia 23 de janeiro de 1920, a Companhia Paulista, que deveria inaugurar o ramal férreo de Nova Odessa a Piracicaba, pede uma prorrogação do prazo até o dia 31 de março de 1922, tempo em que companhia julgava suficiente para a conclusão do ramal. No dia 29 de julho de 1922, finalmente após uma viagem inaugural de trem que partiu da estação da Luz, em São Paulo. A locomotiva fez o percurso vindo da capital até a Estação Recanto, em Nova Odessa, para então, desviar sua rota em direção ao trecho do novo ramal ferroviário entre as cidades de Santa Bárbara d´Oeste e Piracicaba. A inauguração contou com uma grandiosa festa em toda a cidade; uma ata do dia 22 de julho de 1922, o presidente da câmara declara que tomem conhecimento de um programa de festas a serem realizados no dia da inauguração do ramal Nova Odessa Piracicaba, da Companhia Paulista de Estradas de Ferro.

Química

Na subsérie “Trabalhos Escolares: Química” estão as atividades escolares realizadas pelos alunos da Escola Normal de Piracicaba (Sud Mennucci) e suas entidades anexas, na disciplina de química.

Piracicaba - Série em cores

Na subsérie denominada “Piracicaba – Série em cores” estão cartões postais encontrados na Cápsula do Tempo do Sud Mennucci, então Escola Normal de Piracicaba. São três postais alusivos aos lugares e patrimônios de Piracicaba e compõem o conjunto denominado “Série em Cores” – Interior do Estado de São Paulo.

Sud Mennucci - Escola Normal

Resultados 1 até 10 de 2780