Mostrar 228 resultados

Descrição arquivística
Sud Mennucci - Escola Normal Com objeto digital
Previsualizar a impressão Ver:

Cápsula (caixa de cobre)

Caixa em cobre, totalmente selada em três partes através de solda e sem qualquer tipo de acesso ao seu interior. A abertura da caixa foi realizada cuidadosamente através de uma tesoura de corte de chapa, de modo a gerar o menor impacto possível no objeto.
Tal caixa foi utilizada como cápsula, para salvaguardar os diferentes materiais nela inseridos.

Sud Mennucci - Escola Normal

Solenidade de Encerramento da Cápsula do Tempo

Na série “Solenidade de Encerramento da Cápsula do Tempo” encontram-se os documentos relacionados ao evento de encerramento (ou fechamento) da Cápsula do Tempo da então Escola Normal de Piracicaba, hoje chamada de Escola Estadual Sud Mennucci. A solenidade ocorreu no dia 15 de novembro de 1922, juntamente com as comemorações da Proclamação da República e contou com um programa festivo para a ocasião.

Sud Mennucci - Escola Normal

Joaquim O. Gusmão - ao Diretor da Escola Normal

Carta escrita por Joaquim O. Gusmão, 19 anos, missivista, ituano, solteiro e professorando da turma do Centenário da Escola Normal de Piracicaba (Sud Mennucci) em 15 de novembro de 1922. Tal carta é destinada ao Diretor da Escola Normal, como diz em texto em sua primeira folha: "Ao Excelentissímo Senhor. Diretor da Escola Normal, Saudações" (em transcrição livre). Joaquim começa seu texto escrevendo: "O que vos escrevo não é um resumo das festas do primeiro Centenário da Independência do Brasil, realizadas neste ano de 1922, para isso faltam-me muitos elementos essenciais." (em transcrição livre). Posteriormente, segue seu texto mencionando que os jornais começaram a emitir resenhas dos preparativos do festejo do primeiro Centenário da emancipação política e então passa a descrever o dia da seguinte maneira: “Pela manhã do dia 7, o Senhor. Presidente do Estado Doutor Washington Luiz compareceu com todos os membros do governo é colina histórica, ouvindo-se a sua chegada o Hino Nacional executado por um conjunto de mais de quinhentas figuras e que assumiu proporções verdadeiramente comovedoras. Depois de outras manifestações de ardente patriotismo executaram o “Poema Sinfônico das Independências” de autoria de afamado (maestro Savério De Benedectis e que constituiu conforme versão corrente – a mais formidável execução descritiva até hoje ouvida no continente americano. (em transcrição livre).

Sud Mennucci - Escola Normal

Haydée Graner Carene - ao Cônego

Carta escrita por Haydée Graner Carena, professora da turma de 1922. Tal carta é destinada ao Cônego da Paróquia de Piracicaba, como diz no texto em sua primeira folha. A professora inicia a carta com a seguinte reflexão: “Desde os antigos povos até os nossos dias vemos que não se viveu e nem se vive sem uma religião. E por que isso? Qual a sua importância para a vida? ” (em transcrição livre). Assim sendo, disserta sobre a importância e necessidade da religião para a sociedade, transmitindo a seguinte mensagem: “Ela faz, sim, muito bem a sociedade! Se não fosse a igreja com as suas incansáveis preleções e amiudados exemplos, a nossa fé católica não teria o caráter denominador entre os povos latinos. É porque com ela está a suprema verdade. E é com orgulho que afirmo, o brasileiro estar deveras compenetrado disto. ” (em transcrição livre). Ademais, ressalta que o povo brasileiro é católico conforme cita “O brasileiro é católico por excelência e nem por isso deixa de ser um membro duma nação sensata, honrada, forte e laboriosa. É pelo sentimento de fraternidade que o Brasil ocupa um lugar de realce entre os mais engrandecidos povos, que tem esse desapego ás conquistas territoriais, sendo pelo contrário um amigo legal e hospitaleiro. É, pois, a nossa fé verdadeira e encantadora, que tem engrandecido os nossos corações a ponto de estarmos cumprindo o lema apontado na sagrada bandeira “Ordem e Progresso”. “O Brasil com seus inúmeros templos, colégios e associações católicas nos mostra que a resplendente moral de seu povo deve em grande parte a fé de “Jesus Cristo”. (em transcrição livre). Por fim, conclui sua carta com a mensagem que a religião é a maior esperança do povo cristão e que a mesma ao ser lida, ela já estará no paraíso “Coragem, Reverendíssimo Vigário, mais um passo e nós nos encontraremos no “paraíso” onde vivem os anjos e aonde se louva Deus!!!!” (em transcrição livre).

Sud Mennucci - Escola Normal

Zilah Gracinda da Silva - Á mais distinta professoranda de história

Carta da professoranda Zilah Gracinda da Silva saudando o Centenário de nossa emancipação política em que menciona o diversos meio de comemoração. "No Planalto de Goiás colocou-se a primeira pedra para a fundação de uma nova e moderna Capital Federal do Brasil. De diferentes estilos, obras de arte profundas, foram erigidas no Rio de Janeiro para a exposição internacional de artes e indústrias.". Celebraram entusiasticamente em todas as cidades e vilas do interior, e Piracicaba, a terra natal da professoranda, procurou desenvolver no coração de seus habitantes um tipo de sentimento, o mais latente: a caridade.
"A caridade, sentimento mais sublime, que bem interpretado, nivela a sociedade e eleva nossa alma ao Criador, sentimento esse que o povo Piracicabano compreende e pratica, porque é inato em seus habitantes." Zilah trata do crescimento da cidade de Piracicaba, mencionando vários estabelecimentos de caridade: sobre o asilo para velhice desamparada, um outro para os pequenos desprotegidos da sorte, um hospício para as faltas de razão, verdadeiro cadáveres errantes, um isolamento para àqueles que tem todo direito a nossa piedade, os leprosos. Cita também a Santa Casa como um estabelecimento pequeno para acolher os seus doentes. Tratou da tradicional festa de natal dos pobres, em que se arrecadavam roupas, brinquedos e guloseimas para serem distribuídas às crianças desvalidas.

Sud Mennucci - Escola Normal

Ophelia Nascimento

Fotografia datada de 14 de novembro de 1922, na cidade de Piracicaba. A fotografia retrata a menina Ophelia Nascimento, moradora de Ribeirão Preto, na ocasião Ophelia apresentaria no teatro Santo Estevam um recital de Piano. Com meias de meia canela, sapatilhas de pano, e um vestido acima do joelho com adereços florais, a vestimenta dos anos 20 retrata a infância e recato da menina de 13 anos. Apoiando-se em uma banqueta, Ophelia posa para a fotografia com um delicado sorriso no rosto, e com o braço esquerdo apoiado na cintura, fazendo ainda um charme com a perna esquerda, levantando calcanhar alguns centímetros do chão. No verso lemos “Photographia Lembert & Schonfelder, S. Paulo, rua Aurora, 40.”, e um suposto panfleto do teatro que diz: “Teatro Santo Estevão, Grande concerto de piano pela menina Ophelia Nascimento, bilhetes a venda no jornal. ” A programação anexa descreve o que Ophelia supostamente tocou naquela noite: “Recital de Piano de Ophelia Nascimento. Programa:
1° Parte
1 – Weber – Moto Perpetuo
2 – Nepomuceno – Nocturno
3 – Weber – Rondo Brilhante
2° Parte
4 – Beethoven – Sonata Op. 31 n° 3
Allegro – Scherzo – Minuetto – Presto
3° Parte
5 – Chopin – (a) Nocturno
(b) Berceuse
6 – Macdoowel – Dança das Bruxas
7 – Liszt – Rhapsodia n° 11
8 – Gottschalk – Grande fantasia sobre o Hino Nacional
Durante a execução do programa roga-se o máximo silêncio para não prejudicar os efeitos de sons. ”
Há também uma carta redigida por Honorato Faustino que cita a menina Ophelia: “ Uma futura artista do piano: A menina de 13 anos, Ophelia Nascimento, de Ribeirão Preto, deu um concerto em Piracicaba. Tem uma técnica nomeável, e vai estudar na Europa. Por este programa, executado magistralmente, os posteros proverão avaliar de que talento promissor se trata. Piracicaba, 14 de novembro de 1922. Honorato Faustino.”. (em transcrição livre)
Existem ainda, três bilhetes para compra de acento no recital de piano, um valendo 1$500 reais para geral; cadeira por 5$000 reais; e camarote 25$

Sud Mennucci - Escola Normal

Escoteiros de Piracicaba

Escoteiros de Piracicaba
1922
Fotografia retratando os escoteiros do grupo modelo de Piracicaba. Em cima o seguinte título: “ [Robustecem-se], para bem servira á Pátria. ”, abaixo dois conjuntos de fotografias dos escoteiros de Piracicaba, em sua maioria todas crianças. Abaixo a seguinte descrição: “C.R de Escoteiros de Piracicaba – Bivaque(1) de escoteiros e escoteiras. ”. Finaliza-se com o seguinte texto: “Escoteiros e escoteiras do grupo modelo de Piracicaba Bivaque no pátio do recreio do lado sul do edifício da Escola, em dia de festa. 1922”.

(1) lugar de acampamento. É também um termo militar para estacionamento provisório de tropas, a céu aberto (protegidas ou não por barracas etc.) ou sob algum tipo de abrigo natural

Sud Mennucci - Escola Normal

Jogo de bola, entre alunos da Escola Normal de Piracicaba.

Fotografia retratando um jogo de bola entre os alunos da Escola Normal de Piracicaba no pátio do recreio. No centro da imagem alunos que participavam do jogo e uma moça segurando a bola e ao redor diversas pessoas assistindo ao jogo. No muro da escola, pessoas sentadas assistindo e outras ainda subindo para se sentar.
No verso da fotografia, um carimbo escrito “Escola Normal de Piracicaba” com o símbolo da mesma no centro do carimbo.
Pátio de Recreio: Lado da rua 15 de Novembro.
Observa-se na iconografia as seguintes inscrições.
Jogo de bola, entre alunos da Escola Normal de Piracicaba. 1922
1- Diretor da Escola – Honorato Faustino;
2- Professor de Gramática – David Muller;
3 - Professora de Gramática – D. Olivia Bainco.

Sud Mennucci - Escola Normal

Alunos do Orfeon da Escola Normal

Fotografia em tons branco e preto dos alunos do “Orpheon” (orfeão) da escola normal.
Presentes á frente da porta principal de entrada, um grupo de alunos posa para a fotografia. Em pé, existem 24 homens, sentados 22 mulheres e mais 02 homens, dentre eles o diretor Honorato Faustino – centralizado, sentado ao lado do professor Fabiano. Os homens usam trajes típicos dos anos 20, assim como as mulheres. Na parte inferior da fotografia a seguinte escrita: “O celebre Orpheon, da Escola Normal de Piracicaba – 1922,” e enumerados encontram-se: “01 – O Dr. Honorato Faustino – Diretor da Escola.
02 – O orpheon Fabiano R. Lorenzo – lente de musica. ” E finalizando: “Fotografia tirada na escola na junta do edifício. ”.

Sud Mennucci - Escola Normal

Zoraide Moraes Barros - O centenário

Trabalho de português da Aluna Zoraide de Moraes Barros, aluna do 1º ano da Escola Normal (Sud Menucci), datado em 13 de setembro de 1922, com cópia criada para o arquivo da cápsula datado em 15 de novembro de 1922. O trabalho é uma dissertação e descrição das comemorações em Piracicaba no dia 07 de setembro de 1922, dia em que se comemorava o centenário da independência. Inicialmente a aluna relata o conteúdo dos jornais da época, que mostravam os projetos desenvolvidos para a comemoração do centenário, dentro e fora do país. A aluna relata até mesmo que Portugal, “[...] em vez de ficar aborrecido pela próxima comemoração de uma data que só lhe fazia lembrar os dissabores causados por um filho revoltado, rejubilou e fez-se representar nas festas cívicas realizadas aqui no Brasil. (em transcrição livre). O trabalho retorna ao assunto dos jornais da época, onde havia imagens, artigos e documentos sobre os personagens determinantes da independência, relata também as comemorações em Piracicaba, como os festejos no jardim da praça Rezende, cujo todo lucro obtido nas barracas era empregado na construção do novo hospital da Santa Casa, relata brevemente sobre as missas, o hasteamento de bandeiras, emplacamento de nomes de ruas, lançamento da pedra fundamental do edifício Cruz Vermelha e o assentamento do primeiro paralelepípedo para o calçamento da cidade.

Sud Mennucci - Escola Normal

Resultados 1 a 10 de 228